<

Foi inaugurado ontem o Memorial Padre Francisco, onde se pode apreciar colecções quer de cariz religiosos, como civil. O padre Francisco Dias de Azevedo, que paroquiou Balasar durante 48 anos, foi homenageado com um memorial em sua honra onde se encontra patente parte do espólio que foi coleccionando ao longo de décadas.

O memorial foi inaugurado pelo Sr. Arcebispo Primaz D. Jorge Ortiga  onde ele agradeceu o espólio deixado pelo Padre Francisco e deu o reconhecimento de todo o trabalho e contributo que teve no processo da Beata Alexandrina e que sem dúvida será mais um passo para a sua canonização. Referiu que “hoje vivemos num tempo em que se procura viver quase sempre o momento presente…só que importa que nós sejamos capazes de fazer memória e hoje nem sempre somos capazes de a fazer e o passado vai-se esquecendo.” Referiu-se ao memorial como “um lugar que vai falar, vai falar da vida de Alexandrina, de quem ela foi e da mensagem que temos de acolher. Por isso a nossa atitude tem de ser uma atitude de uma memória agradecida ao           Padre Francisco.”

O pároco Padre Manuel Neiva salientou a importância do memorial, pois é a forma de homenagear a quem tanto se dedicou à paróquia e causa da Beata Alexandrina. Nas suas palavras referiu a confiança que o Padre Francisco imputou ao deixar o espólio para a Fundação, para o zelar. Nas suas palavras, o pároco salientou o facto de haver “um altar dedicado à Beata Alexandrina, para que não fosse encarado como um mero museu, pois o local está ligado à causa da Beata Alexandrina e queremos que quem o visita sinta que se trata de um cunho espiritual e religioso.”

No memorial poderão ser visualizados objectos  arte sacra (crucifixos, imagens e oratórios), bem como objectos civis (relógios de bolso, parede, medalhas, etc).

X