logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Alexandrina e a Santa Cruz

 

É claro nos colóquios, abaixo citados, entre Jesus e Alexandrina, que a Cruz aparecida em Balasar, no ano de 1832, foi um sinal enviado por Deus. A cruz tem como simbolismo a vida e missão de Alexandrina que, à semelhança de Jesus, ofereceu o seu corpo e alma como vítima de expiação para a salvação das almas.

De facto, durante 4 anos, a Beata Alexandrina sofreu a Paixão de Jesus, sofreu a crucifixão como prova de sofrimento pelos pecadores.

 

No colóquio de 5 de dezembro de 1947, Jesus falou assim à Beata Alexandrina:
Jesus: «És a Minha vítima, a quem confiei a mais alta missão. E como prova disso atende bem ao que te digo para bem o saberes dizer.

Quase um século era passado que eu mandei a esta privilegiada freguesia a cruz para sinal da tua crucifixão. Não a mandei de rosas, porque a não tinha, eram só espinhos; nem de oiro, porque esse com pedras preciosas serias tu com as tuas virtudes, com o teu heroísmo a adorná-la. A cruz foi de terra, porque a mesma terra a preparou. Estava preparada a cruz; faltava a vítima, mas já nos planos divinos estava escolhida; foste tu. O mal aumentou, a onda dos crimes atingiu o seu auge, tinha que ser a vítima imolada; vieste, foi o mundo a crucificar-te.»

(Sentimentos da Alma; 05/12/1947)

 

 

Jesus: «Minha filha, mar de bonança, porto de salvação, mar de bonança e porto de salvação, porque o teu sofrimento, o teu martírio tudo abunda e as almas seguras neste porto de salvação vêm gozar de Mim para sempre, para sempre. Eu posso aumentar o teu sofrimento mais num ponto, suavizando outro. O que eu não posso é aumentar mais o teu martírio, porque atingiu o seu auge. A labareda do vício atingiu toda a altura, e a tua dor também. Enigmas divinos!...A tua vida é vida dos segresos do Senhor. Só à luz da eternidade será vista a luz clara do teu martírio e as almas que com ele foram salvas.

Há mais de um século que mostrei a cruz a esta terra amada, cruz que veio esperar a vítima. Tudo são provas de amor! Ó Balasar, se não correspondes!... Cruz de terra para a vítima que do nada foi tirada, vítima escolhida por Deus e que sempre existiu nos olhares de Deus! Vítima do mundo, mas tão enriquecida das riquezas celestes que ao Céu dá tudo e por amor às almas aceita tudo!»

(Sentimentos da Alma; 21/01/1955)

 

 

Alexandrina: «Sou a Vossa vítima. Bendita seja a cruz amada que me dais. São sei e não posso dizer mais nada.»

(Sentimentos da Alma; 28/12/1945)

 

 

Alexandrina: «Que peso o da minha cruz, mas quero-a, amo-a, amo-a para sempre.»

(Sentimentos da Alma; 05/05/1945)

 

 

Alexandrina: «Bendita cruz, bendito calvário, meu Jesus. Bendita a fonte, que preparastes para os pobrezinhos, Fazei Jesus, que ela esteja sempre aberta, sempre a correr em goande abundância.»

(Sentimentos da Alma; 22/02/1939)

 

 

Jesus: «Minha filha, estrela do mundo, luz que o ilumina, farol que o guia ao Meu Divino Coração. Escuta, alegria dos Meus olhos Divinos; aceita os Meus Divinas braços, abraça com eles a cruz que te dou, abraça-a com as forças Divinas, já que as forças humanas não as tens. É cruz de amor para ti. Na tua vida de sofrimento está bem provado o amor com que te amo e o amor com que Me amas a Mim. Amo-te, tu amas-Me. És minha, és das almas. A cruz que te dou, é a cruz de mais alto valor para elas. Coragem, sempre firme nos braços do teu Jesus.»

(Sentimentos das Almas; 01/12/1945)

 

 

Jesus: «A tua dor, a tua cruz, não é só dor e cruz de salvação, mas é dor e cruz de amor. Que grande colheita de almas para mim dá a tua vida.»

(Sentimentos da Alma; 05/11/1948)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
8 e 9 de julho 2017
Festa do Senhor da Cruz
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00